ciência sem fronteiras

Major drama #3: Delays

13.12.12

Já comentei isso algumas vezes, mas o processo todo, de julho até agora ainda (juro!) foi bastante conturbado. Por isso separei os 3 maiores "dramas" pra contar aqui em posts separados.

O primeiro já contei aqui e o segundo aqui. O terceiro tem a ver com manter a cabeça calma e não ter um ataque do coração (coisa que eu não sou muito boa em fazer). Várias partes do processo, além do TOEFL - como eu já falei bastante no post anterior - , atrasaram pra caramba e deixaram todos nervosos.

Devo começar explicando que a chamada 123/2012 para o Reino Unido foi meio que a ovelha negra dos editais com partida em janeiro/fevereiro de 2013. O pessoal de outros países se inscreveu no site do CsF, esperou ser homologado pela universidade e depois receber um "go ahead" do CNPq/Capes para então se inscrever na instituição parceira e escolher universidades (se fosse o caso). Só que o nosso processo foi meio atropelado e fizemos tudo ao mesmo tempo. As inscrições no site do CsF encerraram em 14 de setembro, com prazo para envio de proficiência até 28. E tínhamos que fazer cadastro no UCAS (portal do Universities UK, instituição parceira) até 2 de outubro. Então antes de termos a mais remota ideia se o CNPq nos aceitaria nós já estávamos escolhendo universidades.


Como eu já falei um pouquinho do que precisava incluir no UCAS nesse post, vou falar sobre os atrasos e a longa espera mesmo. Passado 2 de outubro, só tivemos informações "oficiais" em 12 de novembro, quando chegou minha offer da UEL. Antes disso rolou muita especulação e ansiedade nos grupos do Facebook. No final de outubro/começo de novembro, o tour promocional do Ciência sem Fronteiras para o Reino Unido, promovido pela Embaixada Britânica e pelo British Council, estava a todo vapor. E dentro desse tour, aconteceu a UK Universities Fair em São Paulo e no Rio com presença de vários representantes das universidades do UUK. Várias pessoas que foram conseguiram conversar com as universidades e ver se tinham nome nas listas deles, o que significaria que eles tinham passado e só faltaria a última etapa.



Só que claro que minha primeira opção, a University of East London, não mostrou a lista (também, tinha nome pra caramba lá). Minha segunda, Coventry, disse que daria a informação por email à pessoa que perguntou. E a última, Anglia Ruskin... Não lembro, acho que nao liberou também. hehe
Então nada de alívio pra mim, tive que esperar 1 mês e meio mesmo até chegar a gloriosa offer letter da UEL. Detalhe que nesse meio tempo a Coventry ficou louca e ligou pras pessoas, mandou carta, etc apesar de o resultado oficial só poder ser comunicado através do UUK.

Ok, tinham me oferecido uma vaga na minha primeira opção de universidadee eu fiquei super feliz. MAS ainda não era oficial, vai que o CNPq me cortava? Como eu já comentei, até esse edital a definição das áreas prioritárias não era totalmente clara, então isso podia acontecer. Então tinha que esperar até 19 de novembro mesmo, a data marcada para sair a lista final dos selecionados. A galera ficava tensa especulando pra caramba, dizendo que se aparecesse tal coisa no seu cadastro era porque tinha sido aprovado, se não é porque foi indeferido. Difícil não ficar louco nesse processo, viu!

O dia 19 chegou e se foi sem resultados para o pessoal do Reino Unido. Foram postados os de outros países, menos EUA e UK se não me engano. Os EUA tinham uma boa "desculpa": os estragos do furacão Sandy. Mas e o UK? Cadê a pontualidade britânica? Foi uma semana agonizante. Mas daí a partir de terça começaram a mudar algumas coisas na nossa página do efomento que diziam que era o que acontecia quando tinha sido aprovado. O meu mudou na quarta. Daí na sexta (23), quando eu cheguei do trabalho e liguei o computador, vi que o resultado tinha saído e meu nome estava lá!

O momento e dias seguintes foram tão felizes que até deu pra relevar todos os atrasos. Mas o CsF deve ter deixado vários candidatos com hipertensão!

You Might Also Like

0 comentários

FOTOS